Responsive Ad Slot

Main Ad

Mandetta nega deixar cargo durante crise

Para o vice-presidente Hamilton Mourão, o ministro 'cruzou a linha da bola'. (Agência Estado)

15 de abril de 2020

/ por Redação
Mandetta nega deixar cargo durante crise

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, negou que pense em deixar o cargo durante a pandemia do novo coronavírus, após uma série de divergências com o presidente Jair Bolsonaro. "Não, absolutamente", disse Mandetta nesta terça-feira, 14, ao ser questionado durante entrevista coletiva, no Palácio do Planalto. Ele afirmou que divergências ocorrem de forma "natural", pois o mundo todo passa por situação de estresse coletivo neste momento.

Mandetta também rebateu comentários que circulam dentro do governo de que suas declarações em defesa do isolamento social e outras questões forcem uma situação para deixar a função. "Não, não vejo nesse sentido, não (de forçar demissão). Foi mais uma questão relacionada à comunicação, a como vamos comunicar, nada além disso. É trabalho mesmo que a gente está focado", reforçou

Ele disse, ainda, que o estresse não está localizado apenas no Ministério da Saúde e é uma questão que envolve o mundo todo. "Não é uma coisa localizada, é uma coisa enorme, vai estar escrito nos livros de história pro resto da vida da humanidade como algo que foi dramática. Sabemos bem o tamanho da nossa responsabilidade e estamos trabalhando com toda a garra. Nós continuamos trabalhando."

Além de Mandetta, também participou da entrevista o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni. Na semana passada, uma conversa entre Onyx e o ex-ministro Osmar Terra foi divulgada pelo canal CNN Brasil, na qual os dois discutiam a saída do ministro da Saúde. No diálogo, o ministro da Cidadania disse que, se fosse presidente, teria "cortado a cabeça" de Mandetta.

Ontem, Onyx iniciou a sua fala com uma defesa enfática do discurso feito pelo presidente Jair Bolsonaro. "O presidente Bolsonaro, de maneira corajosa, como comandante da nossa nação, faz um posicionamento de equilibrar os cuidados e as prevenções na área da saúde com as questões de sobrevivência econômica", disse Onyx.

O ministro afirmou ainda que Bolsonaro age "corretamente" ao chamar a atenção de prefeitos e governadores para a "onda da miséria, da fome e do desemprego" que ocorrerá em decorrência das medidas de combate à covid-19.

"É muito importante o posicionamento do presidente Jair Bolsonaro, que, com sensibilidade, mas com o olhar para todos, não apenas no presente, mas também no futuro, equilibra os cuidados, os investimentos, as condições financeiras para que a saúde brasileira possa responder, enfrentar o desafio do covid-19."

'Cruzou a linha'

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, "cruzou a linha da bola" quando disse, em entrevista no domingo ao Fantástico, da TV Globo, que a população não sabe se deve acreditar nele ou no presidente Jair Bolsonaro. "Cruzar a linha da bola é uma falta grave no polo. Nenhum cavaleiro pode cruzar na frente da linha da bola", explicou o vice. "Ele fez uma falta Merecia um cartão", continuou Mourão.

"(Mandetta) não precisava ter dito determinadas coisas", disse o vice-presidente. Ao Fantástico, o ministro da Saúde cobrou uma "fala única" do governo nas orientações sobre o enfrentamento do coronavírus.

Aa entrevista de Mandetta foi encarada por interlocutores e integrantes do Palácio do Planalto como uma provocação ao presidente, com quem o ministro trava uma guerra pública sobre medidas de enfrentamento à pandemia.

Nenhum comentário

Postar um comentário

Leia Também
© todos os direitos reservados | Blog Cajobi 2011 - 2020
feito com por JM