Breaking News

Main Ad

CPFL culpa raios pelo apagão em Olímpia

CPFL culpa raios pelo apagão em Olímpia

A CPFL (Companhia Paulista de Força e Luz), responsável pelo fornecimento de energia elétrica em Olímpia, a partir da subestação do Jardim Paulista, na zona leste da cidade, culpou as descargas atmosféricas, ou seja, os raios que caíram durante a madrugada, principalmente, pelo apagão registrado em Olímpia, principalmente na manhã de quinta-feira desta semana, dia 22.

A justificativa foi informada à reportagem desta Folha que manteve contato com a assessoria de imprensa da empresa, em Campinas, ainda quando o problema persistia na região central da cidade.

Através de correspondência eletrônica (e-mail), a reportagem questionava a empresa o que estava ocorrendo na região central da cidade, setor de grande parte do comércio local, que teve um apagão longo, o que fez com que, inclusive, as lojas nem mesmo começassem a funcionar.

A preocupação era que ninguém tinha informação a respeito ou mesmo havia recebido alguma espécie de comunicação de interrupção do fornecimento da energia por um período tão longo. Além do comércio, as duas emissoras de rádio AM da cidade também foram atingidas pela falta de energia elétrica.

Em resposta a assessoria enviou a seguinte nota: “A CPFL Paulista informa que 5,6 mil clientes do município de Olímpia tiveram o fornecimento de energia elétrica interrompido hoje (22/12) devido aos danos causados por uma descarga atmosférica (raio) na rede elétrica. O fornecimento de energia foi normalizado gradativamente a partir das 10h, sendo normalizado totalmente às 12h15”.

Entretanto, a nota observava que “é importante ressaltar que cerca de 2/3 do tempo em que o cliente da CPFL fica sem energia corresponde a interrupções emergenciais, provocadas por fatores externos como os temporais, colisões de veículos contra postes e objetos que atingem a rede – pipas, balões e galhos de árvores, por exemplo. Queimadas e furtos de cabos são outros fatores que podem provocar tais desligamentos. O outro terço corresponde a desligamentos programados. Esses desligamentos são informados previamente aos clientes, e organizados para que a empresa possa executar obras de melhoria na rede elétrica, tornando-a cada vez mais confiável”.

iFolha

Postar um comentário

0 Comentários