Nossas Redes Sociais

header ads

Água utilizada no Thermas de Olímpia vira matéria do Fantástico

Água utilizada no Thermas de Olímpia vira matéria do Fantástico
Uma equipe do Fantástico esteve quinta-feira ( dia 30/07), no Parque Aquático Thermas dos Laranjais, em Olímpia, para questionar sobre a utilização de água do poço da Agência Nacional de Petróleo, perfurado na década de 60 pela Petrobrás

A reportagem faz parte do atual contexto de economia de água e questiona o fato de a Agência Nacional de Petróleo desde 2012 estar exigindo o fechamento de todos os poços Petrobrás do Brasil. Todos os que foram construídos nas décadas de 50, 60 e 70.

No site do G1/Fantástico, ontem, já aparecia o anúncio de que a reportagem será veiculada no domingo ( 02/08), questionando se o Parque Aquático estaria usando de forma irregular a água do poço da Petrobrás.

O poço da Petrobras de Olímpia foi perfurado nos anos 60 e repassado à Prefeitura de Olímpia, que, por sua vez, cedeu ao Thermas em regime de co­mo­dato. Ele tem uma vazão de 612 mil metros cúbicos por ano, fica a cerca de três quilômetros do parque.

O segundo poço, dentro do próprio parque aquático, tem vazão de 432 mil metros cúbicos anuais e foi perfurado pelo próprio clube em 2004, já se adaptando a nova realidade

De acordo com o doutor Caia Piton, porta voz e advogado do clube, o Thermas tem autorização judicial para a utilização do poço.

Sobre a reportagem, Piton explicou a eles que o poço da ANP, que é chamado popularmente de poço Petrobras em Olímpia, é utilizado hoje por permissão judicial pelo prazo de cinco anos, dentro dos quais será fechado.

O Thermas dos Laranjais é o maior empregador da pequena cidade de Olímpia, com 800 funcionários diretos, com um piso salarial mínimo de R$1900. O prazo dado pelo justiça para o fechamento do poço vem sido rigorosamente cumprido pelo parque, em uma cidade que depende do mesmo para sobreviver.

“Como a situação não é somente de Olímpia e sim comum a diversas cidades do País já há vários anos estamos nos preparando progressivamente para a operação do parque sem a utilização do Poço Petrobras”, salientou.

O advogado questiona o anúncio da reportagem, afirmando que a decisão judicial está acima de qualquer tergiversação de pessoas que têm interesse em prejudicar o parque aquático local, hoje já responsável por 60% de toda a economia de Olímpia.

Caia Piton declarou também que: “Somos precursores no reaproveitamento de água em parques aqui no Brasil. Em termos legais é possível outorgar poços com vazões de até meio milhão de litros por hora em nossa cidade, mas acreditamos que em que pese a medida ser legal, figura na contra mão da história em face das possibilidades cada vez maiores da escassez de água”.

E conclui: “Hoje possuímos investimentos de milhões de reais em tecnologia de reaproveitamento, como uma estação de tratamento de água de 400 mil litros hora, reservatórios de água de 8 milhões de litros e capacidade de aquecer estes reservatórios a mais de 40 graus. Considero, como advogado, que andamos à frente de nosso tempo”, finalizou.

Fonte – Folha da Região

Postar um comentário

0 Comentários