Nossas Redes Sociais

header ads

Acusados de matar mulher por crack são presos em Mirassol

Foram presos ontem os três acusados pelo assassinato da caseira Vanda Villa da Silva, 49 anos. O trio confessou ter espancado até a morte a caseira na noite da sexta-feira (22), no sítio onde ela vivia com o marido, em Neves Paulista, por uma dívida de R$ 100 em drogas. Maycon Douglas Souza, 21 anos, que seria o dono da droga, José Eduardo Pinto, 18, e J. A. S., 22, conhecido como “Boi” e que não teve o nome divulgado, foram detidos pelos policiais da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Rio Preto em uma ação que durou todo o dia de ontem.

Quinze pedras de crack, que somariam R$ 100 às contas do tráfico, foram o motivo da violência. A dívida teria sido contraída pelo filho de Vanda, um jovem de 23 anos que seria usuário de drogas desde a adolescência. O delegado Lincoln Flauzini de Oliveira, de Neves, explicou que o filho de Vanda teria recebido as pedras de Maycon para vender e acabou usando a droga. “Ele relatou que consumiu as pedras e não tinha dinheiro para entregar ao traficante, que foi até a casa da mãe cobrar a dívida”, afirmou o delegado na noite de ontem, após conduzir os jovens à DIG de Rio Preto.

Vanda vivia com seu marido, um idoso de 64 anos, que teve o órgão sexual amarrado às mãos para não fugir e também foi agredido, mas sobreviveu. O marido teria visto a mulher ser morta. De acordo com a apuração do Diário, José Eduardo teria matado Vanda sozinho, enquanto Maycon e J. amarravam o idoso. Os três teriam afirmado ao delegado que quando chegaram ao sítio Vanda reagiu à abordagem armada com a barra de ferro que prendia a porta da casa, o que teria motivado as agressões.

A mulher, de acordo com a polícia, foi morta pelas pancadas com a barra, mas também por pauladas que teria recebido. Seu rosto ficou completamento desfigurado, fazendo até mesmo com que o caixão no qual ela foi enterrada no sábado fosse lacrado. Maycon foi preso na casa onde vivia, na cidade de Mirassol, na manhã de ontem. Após seu depoimento, José Eduardo e J. também foram detidos. Os dois viviam na Cohab 3, em Neves Paulista. Na madrugada de sábado, logo após o crime, os três envolvidos já haviam sido levados à delegacia de Neves para prestar depoimento, mas foram liberados.

Na casa dos acusados o delegado apreendeu roupas manchadas de sangue e celulares, mas ainda carecia de provas. “Até então, eu não tinha elementos, mas depois fomos juntando relatos e decretamos a temporária”, explicou o Lincoln. Mesmo cientes de que estavam sendo investigados, os três continuaram em suas residências. “Eles acreditavam na impunidade, até por já terem sido ouvidos e liberados”, conclui o delegado.

Maycon estava nas ruas há menos de um ano, após passar quase dois anos preso por tráfico de drogas. O Diário apurou que ele seria responsável por fornecer drogas a traficantes das cidades pequenas na região de Mirassol. Os antecedentes criminais dois outros dois envolvidos não foram divulgados.

Fonte: Diário Web

Postar um comentário

0 Comentários